Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Delegação de culpa.

Delegação de culpa.

O primeiro passo para o crescimento é assumir a culpa pelos seus deméritos. Todavia, o ser humano adora delegar: o que de bom lhe ocorre é "graças a Deus", o ruim é culpa alheia. Reprovou? Culpa do professor, aquele inútil que não introjeta o conteúdo no seu cérebro. Marido infiel? Culpa das “piriguetes”.
Você tem "pitis" de grosseria, não tem paciência para nada ou ninguém? Capaz, você é um incompreendido! Você é desagradável, chato e arrogante? Não, você não é! A culpa é do "recalque", desse povinho que tem "inveja" de você e é exatamente por isso que nem uma árvore lhe suporta. Enfim, não sei "desde" quando, mas o "mea culpa" está virando mito! O preocupante é que sem assumir as suas próprias falhas ninguém melhora.
O acadêmico continuará estudando pouco ou olvidado de sua dificuldade de aprendizado, pois a culpa pela mediocridade de seu desempenho é do professor, a esposa continuará amarga e relapsa, porque o marido só é infiel, porque existem moças assanhadas.
O sujeito não vai procurar tratamento psiquiátrico para seu desequilibro, porque ele é "equilibrado" os outros é que lhe irritam, a pessoa chata e arrogante não irá mudar, afinal os outros é que estão errados em não lhe "gostar".
O triste, na verdade, é que a sociedade vale-se de seus preconceitos para imputar a culpa preferencialmente em algumas pessoas em detrimento de outras. Negros antes dos brancos, gays antes dos heterossexuais, mulheres antes dos homens, pobres antes dos ricos e assim por diante.
Já prestou atenção no que ocorre quando há traição do marido em relação a esposa? Ela é apedrejada, a amante será apedrejada, mas não o homem, ele, “coitadinho”, só seguiu seus instintos, afinal a mulher não lhe dava carinho suficiente e a “outra” (a vadia da história), valendo-se de sua “inocência” o seduziu impiedosamente.
Ah, coitado! E, quando a mulher trai o marido? Ah, ela será mal julgada e ele até consegue salvo conduto para desmoraliza-la e, até, agredi-la, com o aval da sociedade, porque, “obviamente”, ele não deu ensejo á traição.
Se o cidadão é um tosco milionário, nada afetuoso e que só sabe ostentar o que tem e engravida a namorada pobre, ah, o que as pessoas dirão? Ela deu o “golpe”, ela é uma “piranha interesseira” e acabam por esquecer que o infeliz só é “gente” na ordem do dia, porque tem dinheiro e que poderia ter usado camisinha e não usou! Enfim, a sociedade fomenta a delegação de culpa privilegiando alguns e prejudicando outros de acordo com seu livre (e injusto) arbítrio.
Enfim, prevejo um mundo cheio de pessoas acomodadas com suas fraquezas, afinal elas não têm culpa de nada. Ou melhor, e humoradamente, podemos dizer que, como a culpa é delas, elas têm o direito de coloca-la em quem bem entenderem. Seria cômico, se não fosse trágico.


Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 17 de dezembro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário