Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Você não é um paradigma de excelência!

Você não é um paradigma de excelência!

Aprenda: não importa o que creio, o que não creio, o que gosto ou desgosto, o que e a quem admiro ou desprezo, não importa se eu e você divergimos em alguns pontos de vista o que importa é que eu sou mais do que uma ou outra ideia.
Enfim, sou uma pessoa que tem história, que cometeu erros, mas que tenta, diariamente, não fazer ao outro o que dele não deseja, portanto, se você não me conhece de verdade, não crie opiniões a meu respeito, aprenda a não desgostar de quem não lhe fez mal, aprenda a ir além de suas míseras opiniões e impressões.
Vá além da "primeira vista" ou opinião, seja mais do que um mero estigmatizador narcisista que só gosta de quem é sua "cópia": seja por ser de "exatas", seja por ser crente, seja por ser da igreja tal, seja por ser velho, seja por ser "fitness", seja por ser nerd, seja por ser hedonista, seja por ser abstêmio, seja pelo que for. Seja pelo "ponto de convergência" que for, enfim.
Enfim, supere essa mania retrograda de achar que só é legal quem pensa como você! Existem pessoas de outras religiões, de outra área profissional, existem pessoa que não gostam nenhum pouco do que você mais gosta e que acham a sua forma de pensar errada. E daí? Eu posso ser uma dessas pessoas.
É fundamental, porém, compreender que a bondade de um ser não tem você como paradigma. Uma pessoa pode ser o seu oposto e, mesmo assim, se houver respeito, algumas afinidades e bom trato, você poderá dialogar e, conhecê-la um pouco mais profundamente de forma a fazer uma bela amizade.
Não é necessário julgar sem conhecer, criar estigmas, achar que por uma ou outra diferença não existe “dignidade” na amizade. Supere seu egocentrismo! Para a minha sorte? Não, para a sua, pois este texto fala na primeira pessoa do singular, mas ele diz respeito a pluralidade de seres humanos. Diz respeito a nós.
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 28 de dezembro de 2015.

Um comentário:

  1. Interessante seu texto, faço esse exercício digamos assim de tentar não julgar e digo tentar porque não raramente me pego a julgar pessoas, e o pior em muitas vezes baseado em conversas com outra pessoas, mas como falei tento cada dia ser melhor que no dia anterior as vezes eu consigo e outra não.
    Samuel Müller

    ResponderExcluir