Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Sobre eu e a não-maternidade.

Sobre eu e a não-maternidade.

Eu não quero ter filhos e tem gente que me chama de “amarga”. Eu não sou amarga, pelo contrário, ainda busco encontrar uma pessoa tão alegre e humorada como eu! Mesmo com problemas, não "fecho" a cara pra vida, não lastimo e, sobretudo, não direciono meu descontentamento a quem nada tem a ver com ele. Ou faço piada com os meus problemas ou durmo, mas evito cometer injustiças. 
Levo a vida numa boa, tentando melhorar diariamente, sorrir e gargalhar mais do que remoer mágoas. Se as pessoas me magoam? Sim, nem todo mundo consegue ser empático ou colocar-se no lugar do outro sempre. Mas, relevo e sigo adiante tentando não me rebaixar ao nível irritadiço de quem tenha me ferido.
Sobre crianças? Adoro! Bebês? Nada pode ser tão fofo no mundo quanto eles! Bebês gatinhos, cachorrinhos, oncinhas, leãozinhos, elefantinhos, enfim, bebês de qualquer espécie, são sensacionais! Todavia, eu gosto da minha vida e, em mais de três décadas, só posso dizer que não quero mudá-la assumindo uma responsabilidade que gera o dever maternal de doar-me incondicionalmente para alguém.
Na verdade, a única coisa que eu quero que mude na minha vida é o meu saldo bancário. Sou feliz assim e sou demasiado responsável para parir. Pelo custo? Não! Crianças precisam de amor, presença, doação, paciência e afeto.
Eu não desejo isso na minha vida neste momento e agradeço imensamente quem não intervém, quem me respeita, pois eu não saio cobrando filhos de casais conhecidos por aí, por exemplo! Se você escolheu trocar fraldas, criar, sustentar, educar e, sobretudo, amar mais a um ser do que a si mesmo e sente-se plenamente feliz assim, parabéns!
Isso é só o que importa, eu, todavia, sou plenamente feliz com a vida que levo e apenas isso me interessa. Filhos são escolhas, não obrigação. Reza a "lenda" que toda mulher deve ser mãe para ser plena e que os filhos "perfectibilizam" a união dos casais!
Vai ver que é exatamente por isso que "não" existe infidelidade e nem pais e mães mal humorados na segunda-feira pela manhã no mundo, vai ver que é por isso que "nenhum" casal com filhos briga ou se divorcia. Fraldas, menos sexo, mais pessoas para dar atenção e amor, enfim, menos tempo gasto para si, realmente "são" os segredos de uma vida feliz. Aham, aham!
Cláudia de Marchi
Sorriso/MT, 20 de dezembro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário