Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Abaixo a romantização!

Abaixo a romantização!

Se existe a algo que o romantismo demasiado se presta com maestria é em favorecer toda espécie de abuso emocional. E quem mais cultiva romantismo na vida, graças à cultura? As mulheres! Nenhum homem muda com o amor recebido quando ele é grosso, abusivo e ignorante.
 Querida, se você acha que o cara deve mudar é, porque ele não lhe trata ou lhe faz bem e, se isso ocorre, não insista na mudança, mude de homem! Encontre um que dê o amor que você merece ou fique sozinha, ame a você mesma!
Toda mulher é criada de forma a ser machista, praticamente e com raríssimas exceções, nascemos machistas! A gente se torna feminista quando amadurece e acorda pra realidade do mundo, a gente se torna feminista, quando vê que o machismo afasta- nos uma da outra e faz com que nos tornemos seres manipuláveis capazes de defender o macho e acusar a outra.
 Sou o tipo de mulher que acredita no amor e na paixão, essencialmente nos que sinto pela pessoa mais importante da minha vida: eu! Fora daí, amor eterno só pelos meus pais e pelo meu time do coração (Grêmio e seus anos sem títulos!).  Homem? Ou me faz bem, me deixa segura e contente ou eu dispenso.
De romântico eu ainda cultivo o gosto por momentos a dois regados a um bom vinho, presentes e flores. Quanto aos últimos, considero ótimos, assim como elogios, desde que eu goste de quem me dá! De resto, dispenso. A gente dá ao elogio, aos presentes e às flores o valor que damos a quem nos manda!
Nem toda mulher precisa ter seu ego enaltecido por qualquer homem. E como saber se você é “qualquer” um na ordem do dia? Se você puxa conversa e ela lhe deixa no vácuo, se ela é educada e sorridente com você, mas é assim com todo mundo, se ela é decidida, independente e, enfim, nem sabe da sua existência.
Se existe mulher que gosta de ser assediada? Meu filho, não “tô” nem ligando, falo de mim, não das demais. Falo da minha vida, não da existência alheia. Mulheres como eu não gostam e nem precisam de assedio de quem, repito, não desejamos. Isso não é ser romântico, ao nosso ver. É ser idiota.
Outra coisa vulgarmente romantizada é o ciúme. Vejo vitimas de abuso dizerem emocionadas: “Ele disse que se eu não ficar com ele, não fico com mais ninguém”. Queridas, isso é obsessão, doença! Só uma mente doentia pensa e diz algo assim.
Seria isso fruto da invenção tosca de que os meninos que nos agridem no colégio, física ou verbalmente, são interessados em nós? Crie sua filha para valorizar o menino gentil, cavalheiro e não o ogro que a agride. Pois a sua “menina” hoje, poderá ser uma mulher vitima de abuso no futuro e, ainda, emocionalmente ligada no abusador.

Cláudia de Marchi
Sorriso/MT, 02 de dezembro de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário