Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Desmistificando: o homem mais velho e a “novinha”.

Desmistificando: o homem mais velho e a “novinha”.

Quero me valer de Balzac para desmistificar essa gana de alguns exemplares do sexo masculino para enaltecer seu ego frágil se relacionando com mulheres muito mais jovens que eles. Gana que, diga-se, “impressiona” os demais que tem a mesma ignorância psíquica.  
Primeiramente: falo por prática! Quando eu tinha 18 anos tive um namorado que tinha 38, aos 21 namorei por dois anos um cidadão excelente, por sinal, que tinha 40 anos e, finalmente, fiquei dos 23 aos 28 com um sujeito metido a “macho alfa” que tinha 17 anos mais do que eu. Ou seja: eu entendo do que falo.
O que não entendo e, comumente falo para minhas amigas naqueles papos de “Luluzinha pós-moderna” é o que esses indivíduos enxergavam de tão magnifico em mim: primeiramente, eu era jovem, sim, mas corpo duro mulher de 40 anos também tem hoje em dia. Logo, deixemos a minha “gostosura” juvenil de lado.
O que Balzac fala das mulheres de 30? Transcrevo uma parte: “Como se conhece melhor, ela é muito mais autêntica, centrada, certeira no trato consigo mesma e com seu homem. Aos 30, a mulher tem uma relação mais saudável com o próprio corpo e orgulho da sua vagina, das suas carnes sinuosas, do seu cheiro cítrico. Não briga mais com nada disso. Na verdade, ela quer brigar o menos possível. Está interessada em absorver do mundo o que lhe parecer justo e útil, ignorando o que for feio e baixo - astral. Quer é ser feliz. Se o seu homem não gosta dela do jeito que é, que vá procurar outra. Ela só quer quem a mereça. (...)Aos 20, a mulher tem espinhas. Aos 30, tem pintas, encantadoras trilhas de pintas, que só sabem mesmo onde terminam uns poucos e sortudos escolhidos. Sim, aos 20 a mulher é escolhida. Aos 30, é ela quem escolhe. E não veste mais calcinhas que não lhe favorecem. Só usa lingeries com altíssimo poder de fogo."
Ou seja, os meus namorados queridos, mas que eu imaginava e os desejava por serem “seguros de si” e “bem resolvidos” não eram nada disso! Uma mulher de 20 anos finge orgasmos pra agradar o parceiro, tem medo de rejeição, acha que o “problema” pode ser “dela”. Uma mulher de 20 anos, frente aos “poderes” do parceiro mais velho, fica “de quatro”. Elas são menos experientes. E não, não falo exclusivamente de sexo, até porque hoje em dia as meninas estão na “ativa” desde cedo.
Eu falo de segurança enquanto mulher. Do conhecer mais da vida, do ter lido mais, do ter passado por um divã de psicólogo, do se conhecer melhor, da autoestima inabalável, do olhar seguro! Até hoje quando vejo minhas fotos da era dos “inte” pasmo diante de um olhar frágil, carecedor de cuidado, pasmo diante de um sorriso inseguro, pasmo diante das bochechas juvenis!
Se isso encanta os homens? Ah, então eles não são homens com “h” maiúsculo não! Um homem de verdade não tem medo de uma mulher que sabe o que quer e o que não quer da vida. Dentro e fora do quarto. Um homem de verdade não tem medo de uma parceira que toma a atitude e gosta de ter as rédeas das situações em mãos. Que diz: “Quero agora.”
Um homem de verdade tem ego bem estabelecido. Não precisa exibir-se aos demais. E homem de verdade tem que ser mais velho para ser maduro? Ah, depende! Não nego que era isso que eu achava quando eu só me relacionava com homens mais velhos do que eu.
Fato é que idade não tem a ver com maturidade! Muitos dos meus colegas de faculdade, alguns que eu tinha como “amigos” inclusive, eram muito mais seguros e maduros que os meus “amados” namorados mais velhos. Esses amigos meus, inclusive casaram-se com lindas mulheres mais velhas que eles. Na mesma busca pela maturidade!
Ocorre que nós mulheres não namoramos homens mais jovens para ostentar que estamos “podendo”. A gente fica com eles quando eles nos oferecem o que os mais velhos não nos dão: admiração, respeito, afeto, carinho, suspiros e, claro, maturidade!
Nem todas as pessoas velhas são maduras e nem todos os jovens são imaturos. Aliás, existem homens bobos por natureza e a estes o passar dos anos não ajuda. Se, alguns vinhos ficam melhores com o tempo, outros azedam! Depende da qualidade da uva e do “processo” de fermentação ao qual foram submetidos, logo, não há regra!
Tolo é quem se baseia nas aparências e quem generaliza tudo! Existem moças jovens que são mais maduras que os homens mais velhos com os quais namoram e existem homens mais velhos que estão com as jovens para exibir para os amigos e, porque elas são brandas, são fáceis de levar: se contentam fácil com o que lhes oferece, dificilmente reclamam, pois são muito, muito mais inseguras! Balzac explicou as mulheres de 30 e acabou explicando os homens, afinal, uma coisa é certa: julgue o homem de acordo com a mulher que ele ama. Aí você saberá quem ele é!

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 14 de setembro de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário