Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Os mal resolvidos.

Os mal resolvidos.

Estou numa fase da vida em que não aceito mais ninguém falando de ex perto de mim! Estou cansada de ouvir o tal do "minha ex é isso", "meu ex é aquilo". Primeiramente se você namorou, chamou de "meu amor", casou ou morou junto com alguém foi, porque quis e gostou!
Logo, falar mal de quem ficou para trás só significa que você não é bem resolvido com seus sentimentos, pois, se fosse calava a boca e seguia adiante! Criticar a conduta de quem você desejou por tempos, enquanto, frise-se, a pessoa agia da forma que, agora, você menospreza, é falar mal de si mesmo.
Você já analisou quão ridículo fica para você quando conta fatos desabonadores do seu ou da sua ex? “Porque a fulana era imatura, não tinha assunto que me acompanhasse, era fútil, era interesseira, era desequilibrada” ou algo assim? Agora, lhe pergunto: mesmo a pessoa sendo tudo isso, você viveu com ela, esteve ao seu lado e, se bobear, quem lhe deixou foi ela? Então, querido, o paspalhão é você!
Eu já vi, por exemplo, pessoas criticando a forma de ser e de pensar de ex com os quais fizeram questão de ter filhos, investiram nisso, inclusive! Ora, não se trata da conduta alheia, se trata da sua falta de vergonha na cara: uma por ter se relacionado com tal pessoa, duas por ter coragem de cuspir no prato que comeu e, se pudesse, comeria de novo, porque se não quisesse isso, não falava do que passou.
Arre, tenha paciência! Se você não tem seletividade nas escolhas, o problema é seu, se você não é bem resolvido com seus términos, procure um psicanalista, mas, por favor, não saia por aí falando mal daquela pessoa que você levou morar com você ou que você quis que ficasse ao seu lado. Isso soa muito, muito abjeto e é desabonatório do seu proceder, não de quem você finge que despreza!

Cláudia de Marchi
Sorriso/MT, 15 de setembro de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário