Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Ovelha negra, sim! Cada dia mais, inclusive!

Ovelha negra, sim! Cada dia mais, inclusive!

Sou a típica ovelha negra na vida! Não tenho nada contra (quase) nada, mas desprezo estupidez e grosseria e, com exceção daquele povo arrogante que se acha melhor que os outros, não me sinto superior a ninguém!
Sou fã de MPB e rock, mas existirão momentos em que irei cair no samba, no pagode e, acredite, encaro funk sim! Gosto de Andrea Bocelli a Fito Paez, curto rock clássico, rock nacional e o rockzinho gaúcho rebelde de alguns anos atrás, e sim ouço moda de viola, adoro um sertanejo "dor de corno" e encaro um "dançar a dois" muito eventualmente, porque sou do tipo que nem em dança consegue ser bem "levada" pelo sexo oposto.
Sou uma eterna amante da filosofia e aficionada por psicologia, mas tenho livros de auto ajuda e sim, eu já li alguns! Sempre tive ojeriza a Paulo Coelho, mas li "Manual do Guerreiro da Luz" nos anos 90 e o filme atual me cativou um pouco.
Adoro roupas clássicas e moda, preto sempre foi minha cor preferida, mas não dispenso um jeans, um short e um vestido básico! Não estou nem aí para as roupas da colega, da juíza, da cliente ou da promotora nova na cidade! Pouco me importo com os trajes alheios, gosto mesmo é daqueles pelos quais eu pago!
Dos outros me basta o respeito, a fala agradável e o bom humor, porque, francamente, eu não tenho culpa se o outro está azedo, com fome ou com problemas conjugais. Tá de mal com a vida? Procure um terapeuta ou um psiquiatra, pois ninguém tem culpa pelos seus problemas. Não seja injusto!
Gosto de gente alegre, de gente que demonstra grandeza pela humildade e não pela incrível vontade de ser superior. Eu gosto de gente que "é" e não de quem tenta parecer ser. Não sou religiosa, não sou ateia, não sou crente, sou livre nos meus pensamentos e para crer no que desejo, sobretudo para ter certeza de que sem compaixão, empatia, ética e moralidade não existem credo e reza que aprimore o homem.
Sou só pelo não fazer ao outro o que dele não desejo, sou só pelo fazer mais e reclamar menos, sou só pelo dar ao outro o amor que recebo e sou só amor por quem me cerca, me alenta e respeita. Sou uma ovelha negra, mas uma coisa eu garanto: tem muita felicidade, paz, alegria e bondade nesta ovelha antinômica!
A graça das ovelhas negras está naquilo que as brancas enxergam como desgraça. Elas não são comuns, elas não são normais, elas não são padrões. Elas não são obedientes, domáveis, simples. A graça de ser uma ovelha negra é justamente está: não estar adequada a um padrão, seja ele de cultura, de atitude, de gostos, de amizades, de convívio, de vida, enfim.
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 23 de novembro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário