Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Sobre meus anseios, liberdade e limites de tolerância!

Sobre meus anseios, liberdade e limites de tolerância!

Outro dia eu disse para um cidadão interessante que não me empolgava em conhecê-lo mais, pois ele tem um bebê de 2 anos. Ele disse que compreendia e que pensava o mesmo em relação às mulheres, em especial quando se tem o sonho de ter "uma família sólida e realizada"! Ao contrário dele, este nunca foi meu sonho, mas tenho meus limites de paciência e tolerância na vida.
Meu sonho é continuar sendo rarefeita, mas intensa, mutante e realizada, viajar pelo País inteiro, conhecer New York e a Califórnia e, também, alguns países da Europa, meu sonho é fazer Mestrado e Doutorado e publicar uns livros.
Meu sonho é continuar tomando cerveja e comendo sem engordar, meu sonho é que meu traseiro e coxas continuem duros e, se eu der sorte coloco nessa lista conhecer um cara carinhoso, bom amigo, engraçado, inteligente e muito tarado! Um sujeito que me queira muito e que me dê presentes e faça surpresas, enfim algum maluco para se divertir comigo. Compreendendo que se a coisa ficar entediante cada um segue seu rumo!
Então, "moços" que tem lindos filhos com menos de 4 anos: desistam! A menos que eles morem a 3000 Km de distância de vocês! Guarda compartilhada? Nem que você tenha o corpo e rosto do Brad Pitt com o QI do Einsten e a inteligência emocional do Augusto Cury. Não quero desenvolver meu adormecido instinto maternal com baby alheio!
Ah, e você que guarda complexo pelo término de relacionamento/casamento, também é dispensável. "Meu casamento acabou por minha causa, meu trabalho me faz distante". Darling, casamentos acabam por falta de amor, atenção, tesão e afeto! Se o seu problema foi a profissão, ainda da tempo de reconquistar a donzela.
Mulheres gostam de se sentirem importantes e você pode fazer isso até a 20.000 km dela! Meus pais tiveram um casamento bom por 27 anos, apesar de ele viver fora. Quando terminou? Quando a distância se tornou afetiva: telefonemas relapsos, voz sem doçura.
Enfim, se você carrega um bebê no colo ou complexos de fim de relação, não me queira, procure um psicólogo, a sua ex, um padre, um médico psiquiatra, um prostíbulo, um exorcista, qualquer coisa! Eu sou advogada, professora universitária, cronista, cinéfila, eventualmente enóloga e cozinheira, raramente ébria, portanto, não tenho tempo pra nada complicado, pra dramas, pra "mimimi" e menos ainda pra fraldas ou gente com medo de se apegar!
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 17 de novembro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário