Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Sobre respeitar, sobre não discutir!

Sobre respeitar, sobre não discutir!

A gente anda falando muito em "tolerância" e "intolerância". Como eu sempre disse, essas palavrinhas são feias! "Tolerar" significa aturar, suportar, quando, o certo, deve ser respeitar. De toda forma, acho que, como pessoa, eu respeito a todos, mas não os tolero.
Sabe o povo "radicalíssimo", defensor da moral e dos bons costumes? O povo que veste a camiseta de uma causa, de um partido? O povo fanático religioso, o povo que idolatra quem a mídia sugere que idolatrem, enfim, o povo que quer lhe converter a pensar como ele? Esse povo que comumente é chamado de "intolerante"? Pois então! Eu também não os tolero, ou seja, não suporto no seguinte aspecto: eles não pagam as minhas contas e, logo, não preciso conviver com eles!
O "ato" de suportar/tolerar alguém normalmente se relaciona com a necessidade de conviver com esta pessoa e eu não preciso disso! Conheço muita esposa, por exemplo, que passa o feriadão suportando o marido o dia todo em casa, conheço pessoas que suportam a visita que veio de fora (quem nunca?) e etc..
Estou numa fase da vida, porém em que só trago voluntariamente ao meu mundo quem eu admiro. Pode pensar de forma avessa a minha em muitos aspectos, se me respeitar e conquistar a minha admiração estará comigo e não será suportado, mas respeitado, como também respeito aos intolerantes.
Como professora e advogada convivo com muitas pessoas que têm suas intolerâncias e radicalismos diferente dos meus (na verdade a questão está nas diferenças: em alguns assuntos todos podemos ser radicais, a questão é a diferença do ponto de vista! Chamamos, muitas vezes, de "intolerante", apenas quem nos contrária!), mas você, meu amigo, nunca me verá discutindo com eles!
Cientes são de meu ponto de vista, ciente fico do deles, apenas digo, (ainda que faça alguma brincadeira antes): "Tá certo." E, de fato está: eu discordo, mas respeito. Se eu os trarei para o universo dos "meus admirados" ou "admiráveis", daqueles que, aberta ou silenciosamente eu nutro profundo apreço?
Se, mais, trarei ao meu convívio íntimo de amizades, confiança, jantares e cervejadas? Provavelmente não. Não sou obrigada a tolerar ninguém no meu mundo íntimo se não tenho com ele afinidades, mas, como ser humano bem educado que sou, eu os respeito de coração, ainda que queira-lhes apenas como colegas, alunos ou conhecidos. Isso é respeitar!
Você não precisa concordar, admirar, gostar ou amar, sequer tolerar ou suportar, basta não ofender, basta não criar discussões tolas e querer a todo custo inserir a sua forma de pensar na mente alheia! Basta ser gentil no trato, apesar das discordâncias e dos desagrados delas decorrentes.
Não entendo nem nunca entenderei, porque seres humanos (que, presumo, sejam dotados de algo dentro de suas cabeças chamado de cérebro), em pleno 2015, ainda discutem! Mais ainda se o assunto é partidarismo político e política em si, religião ou opção sexual alheia e coisas do tipo! Se discordam, custa cada um se calar?
Ninguém muda o ponto de vista de quem se diz convicto e tão certo do que pensa que aumenta o tom de voz para argumentar! Ou seja, ninguém muda as ideias de quem não quer mudar de ideias! Eu sou especialista em ouvir o que chamo de "absurdos", posto que discordo, que atinem a temas polêmicos: de aborto, sexo, homosexualidade a "bolsomania", de Datena a homeopatia e relacionamentos afetivos, de apologia ao casamento, submissão e reprodução da espécie até religião e amizades. Mas eu silencio.
Não discuto com clientes, com parente, com pai, com amigos, com colegas, com alunos, com seja quem for que mostre-se a tal ponto certo de seu ponto de vista diferente do meu. Primeiramente: eu não mudarei seu ponto de vista e não pretendo (em certos assuntos) mudar o meu num embate, então porque não falar sobre qualquer outro assunto mais leve?
Sim, eu posso mudar de ideias: se eu quiser, pesquisar, vivenciar algo, mas jamais vou fazê-lo através de uma discussão com pessoas aumentando o timbre de voz e dando argumentos de senso comum como se fossem mestres.
Jamais concluirei: "Nossa, quando o fulano ergueu a voz e quase deu de dedo na minha cara eu percebi como ele estava certo e tem domínio sobre o assunto, então eu mudei de ideia! Foi neste instante em que quase me despi e disse: 'Me possua de quatro seu gênio! Faço reverência a você!'".
Ah, como seria bom se o povo aprendesse a calar, pegar um bombom, degustar um torresmo com um refrigerante gelado, ignorar aquilo com o qual discorda sem atormentar-se e atormentar os ouvidos de quem lhe cerca! Ah, que bom seria!
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 11 de novembro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário