Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

domingo, 3 de janeiro de 2016

Eu, ontem e hoje: divinas mudanças!

Eu, ontem e hoje: divinas mudanças!

Há alguns anos eu achava importante usar determinada cor de calcinha e roupa na virada de ano, comer 7 grãos de uva, salada de frutas com 7 frutas, pernil, fazer a ceia a meia noite, pular 7 ondas e por aí a fora! Hoje eu vejo o quanto mudei.
Primeiramente eu não teria tido a maioria dos romances que tive, não aceitaria uma relação abusiva, não teria me casado, não teria escrito inúmeras crônicas que escrevi crendo-me muito mais sapiente do que era, não teria feito sequer meu TCC da graduação no tema que fiz, não teria jamais agido com passionalidade e prejudicado pessoas que, dentro da sua insanidade, diziam me amar.
Eu jamais teria sido uma jovem machista, jamais teria confiado em algumas pessoas, feito amizade com outras, deixado minha carreira em segundo plano para morar em outras cidades, eu jamais teria desfeito as minhas sociedades, jamais teria sido tão veloz no volante, jamais teria caído no engodo da "segunda chance", jamais teria passado de um primeiro encontro com algumas pessoas, jamais teria me desconectado do mundo real para conversar com algumas pessoas virtualmente.
Estranho! Não me identifico muito com quem eu fui, em gostos e impulsos, mas não tenho arrependimento algum: eu era apenas romântica e passional demais. Hoje, para eu ter um bom réveillon me basta a companhia de quem me ama, hoje para ter um bom ano careço de trabalho e esperança (muita, muita esperança!), hoje um namorado não me faz falta (se for semelhante aos meus ex, com raríssimas exceções, menos ainda), hoje me sinto bem na minha própria pele, já superei qualquer arrependimento e não trago no peito nada além de amor e paz.
Amor que, ao mundo, distribuo em sorrisos e, a quem me ama, multiplico em carinho e afeto! Hoje eu não sinto falta do que não tenho, me realizo com o que possuo, principalmente com a minha alma e com a minha aura límpida que, como disse Gil, "só quem é clarividente pode ver". E isso me basta! Mas, se você tiver alguns milhões de dólares e estiver se sentindo infeliz sugiro que doe. Eu aceito a doação e atribuo-me o encargo de lhe ensinar a ser feliz! Ah, já adianto que o primeiro passo é achar a dose certa entre a resignação e a coragem.
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 1º de janeiro de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário