Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

terça-feira, 6 de outubro de 2015

A solteirice dos inteligentes.

A solteirice dos inteligentes.
Por que uma pessoa bonita e inteligente fica solteira? Porque além de bonita é inteligente, ora! Um ser humano maduro e culto, não se sente mal sozinho, se sente mal quando está mal acompanhado. Sozinho você não se estressa com ninguém, assiste os seriados e filmes que deseja, se relaciona bem com todos os seus conhecidos sem ter alguém para critica-los.
Sozinho você não sente vergonha alheia e nem tem vontade de mandar o outro calar-se. Ser solteiro e sozinho é ótimo sim! O que pode superar esta sensação de independência, adequação e liberdade? Talvez ter um parceiro afim com você! Um parceiro com gostos semelhantes. Que curta o que você curte, da literatura ao rock, de viagens a bebida, de filmes a livros, do sexo a gula.
Não se trata de um namorado, se trata de um parceiro bom! Afim com você e com o qual você pode passar horas conversando, horas transando, horas cozinhando e, para isso, não basta ter química, é preciso ter afinidades de pensamento e até de cultura.
Uma pessoa inteligente não busca no outro o bolso, conforto, passeios, jantares ou aparência atraente, busca cumplicidade, admiração e consideração recíprocas, atenção e parceria para todo e qualquer momento, busca divertir-se, porque relacionamentos devem ser divertidos não só na hora do pileque, não só na noite de sexta e sábado, no almoço do domingo.
É preciso alguém que não pegue na sua mão, que não toque apenas o seu corpo, mas que atinja a sua alma, que toque o seu coração, que balance as suas estruturas intimas, porque balançar o seu corpo qualquer um é capaz. Alguém para quem você olhe e pense: "Mas esse meu parceiro é foda! E fode bem, inclusive!". Não, sexo não é tudo, mas nada é "tudo" numa relação!
É preciso o afeto, o romantismo, o carinho, a cultura afim, o diálogo, mas não se olvida que uma noite é longa e que ninguém passa uma noite toda apenas conversando ou dormindo se tem um bom parceiro ao lado, afinal, não se esqueça: é preciso divertir-se! É preciso valorizar cada pequeno momento de um relacionamento e é isso que uma pessoa inteligente procura e é por isso que ela não se contenta com qualquer “meia boca”, “mais ou menos” ou razoável relação.
Uma pessoa inteligente já aprendeu a ser feliz sozinha e quer, do outro, uma boa parceria, mas não busca parceiros desesperadamente por aí! Vive, conhece, desconhece pessoas e segue seu caminho sem querer, desesperadamente, alguém para chamar de “marido”, para ser “pai” de seus filhos e bobagens antiquadas semelhantes.
Ruim, meu caro, não é conhecer pessoas que lhe fazem optar pelo retorno ao status quo, enfim, a solteirice, ruim é viver uma relação morna, sem graça, sem brilho, ruim é pegar na mão sem sentir o coração ou ouvir sem admirar. Ruim mesmo é estar com uma companhia que não lhe satisfaz. Para todo o resto existem livros, comida, vinho, amigos animados, trabalho, cartão de crédito e Netflix.
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 06 de outubro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário