Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Pequena crônica das grandes “estranhices” brasileiras.


Pequena crônica das grandes “estranhices” brasileiras.

Existem algumas coisas que, definitivamente, eu não entendo no mundo! No Brasil, para reduzir um pouco a “amplitude” do “negócio”. Aqui é legal comercial de cerveja com mulher expondo o corpo todo, sobretudo a bunda.
O pessoal não critica nudez na televisão, na revista e, sobretudo, em propagandas direcionadas ao publico masculino em que o corpo feminino é “vendido” como premio, é ofertado como picanha no açougue domingo de manha.
Nada disso é “ofensivo” a tal da “família tradicional”, mas homossexuais se abraçando no comercial ofende, dando selinho na novela também ofende. Algo como: perpetuar o machismo e a coisificação do corpo feminino é normal, amor entre pessoas do mesmo sexo não, afinal, se “eu” gosto de homens e sou mulher, todos devem fazer o “mesmo”!
Então, o deputado que representa a minoria gay é frequentemente alvo de boatos esdrúxulos! O ultimo agora é de que ele deseja “emendar a bíblia” para retirar da mesma trechos homofóbicos.
E o que o brasileiro faz? Sem a mínima noção do ridículo ou capacidade de questionamento, divulga esta falácia nas redes sociais e, o que é pior, ainda recebe comentários favoráveis ao seu ponto de vista idiota menosprezando o tal deputado.
Deve ser o máximo ser governante ou ter poder numa nação em que qualquer mentira jogada na rede se torna “verdade” através das mídias sociais e pessoas desprovidas de vontade de informação, além, obviamente, do bom e velho senso critico. E do ridículo, claro!
A mulherada adora foto de mulher sarada, com corpo escultural e, muito provavelmente, com eventuais correções feitas em seus corpos por programas de computador. Disseminam a mentira do “corpo perfeito”, fazem dietas entediantes, plásticas e malham insanamente em prol da mentira que alimentam, mas quando veem uma “celebridade” sem retoques a criticam, ao invés de pensarem a respeito e concluírem que a perfeição é um ideal vendido em revistas, por empresas de suplementos, por cirurgiões plásticos e academias, mas inalcançável.
As mulheres alimentam o machismo, o povo alimenta as mentiras postadas na internet, os “tradicionais” alimentam o ódio as minorias, os “crentes” (em qualquer credo) falam em Cristo, mas não toleram a menina vestida de branco por ser do candomblé, falam “chuta que é macumba” e, ainda, dizem que os ateus são “à toa”. 
Fiquei sabendo nesta semana de uma menina iniciada no candomblé que levou uma pedrada na cabeça de pessoas intolerantes, enfim. Também sei que um tal de Eduardo Cunha quer criminalizar o que ele chama de "cristofobia", em virtude das manifestações artisticas no evento gay ocorrido recentemente que gerou polêmicas por causa da interpretação de uma "trans" crucificada! São tantos problemas sérios para preocupar e a população envolta em embates religiosos! Como se Cristo, na época dele parasse para discutir religião ou diferenciar um ser humano de outro.
 Francamente, isso tudo me assusta, mas prova que a ignorância humana não tem limites! Como eu li hoje, a “puta que pariu” está pequena para tanta gente tosca que deve ser para ela “remetida”.

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 17 de junho de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário