Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

terça-feira, 30 de junho de 2015

Do bandido Estado ao bandido cidadão, da vingança privada ao respeito aos Direitos Humanos dos encarcerados: breves palavras.

Do bandido Estado ao bandido cidadão, da vingança privada ao respeito aos Direitos Humanos dos encarcerados: breves palavras.

O "bandido" não mora ao lado ou nas ruas. O bandido arrecada milhões, não investe em educação como deveria, não investe em política criminal, trata os presos como "esquecidos" e ainda fala em função "ressocializadora" da pena de prisão onde o "mané" entra especialista em furto e sair "Mestre" em roubo e "Doutor" em tráfico.
O bandido, para fazer “as vezes” de bonzinho ainda, usa a reincidência para agravar o apenamento daquele que ele deveria ter sido "ressocializado" e que, obviamente, volta a delinquir, o que é previsível vez que jogado em presídios super lotados onde o bandido mais "poderoso" é beneficiado!
O bandido tem 600 mil presos num sistema carcerário que comporta 371 mil vagas, sendo que dos 600 mil, 283 mil estão no aguardo de julgamento, ou seja, são presos provisórios. Ele, o bandido, ainda não decretou a culpa dessas pessoas através do Judiciário.
Quem é ele? O indefensável Estado, este que nunca me fez ter “tesão” para fazer concurso publico e mamar em suas lindas tetas enquanto só se vê descaso com a população. Eu gosto de dinheiro, quem não gosta?! Mas eu prefiro minha paz, meu ego tranquilo, minha consciência incólume!
Existe uma dicotomia homérica entre livros e realidade e uma "maldade x prejuízo público" muito mais acentuada na bandidagem estatal do que na do "povão". Aliás, sabe os tais Direitos Humanos que você não estuda, não conhece e adora dizer que "só" protege bandido? Ele atua para defender o criminoso, o suspeito e o cidadão frente aos abusos do Estado bandido e não frente aos demais delinquentes!
Abra a mente meu amigo, um dia, em anos talvez, cada família terá um presidiário e você acha que ajudará ele na sua ressocialização viver numa sala pendurado com mais 20?
"Ah, mas o cara matou minha filha!", amigo, para a família da vítima qualquer pena é doce, só vingança, quiçá resolva, e o bandido mor, leia-se o Estado está aí para tratar com dignidade a todos, do contrário só incentivará o cometimento de delitos. Sua filha morreu?
Que tal, para sanar sua sede de vingança, mandar matar ou matar o assassino dela? Sim, livros jurídicos a parte, estou falando sério! Como ser humano, não como advogada, não como professora universitária. O que satisfaz um pai frente a violência sofrida pelo filho? Um pai em estado passional? Só a violência em relação ao seu algoz, isso é humano, é demasiado humano.
Agora querer que, por causa dele, todos os presidiários sejam esquecidos e mal tratados num sistema prisional falido é egoísmo, querer que os presos sejam desumanamente tratados é, igualmente, egoísmo e exercício arbitrário e tosco das suas razões!
Que é o que faz, diga-se que até dá impagáveis exemplos! Lamentável, mas saudemos a mandioca minhas caras mulheres sapiens, homens sapiens, crianças sapiens, adolescentes sapiens, hetero sapiens, bi sapiens, trans sapiens, homo sapiens e por aí a fora!
Cláudia de Marchi
Sorriso/MT, 30 de junho de 2015.


Nenhum comentário:

Postar um comentário