Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Por que eu não estou namorando?

Por que eu não estou namorando?

Por que eu estou sem namorado? Porque faltam homens? Não, porque, em que pese digam que existam mais mulheres por aí, a qualidade da sua conduta, de seu intelecto e de suas atitudes vem decaindo tanto que nem os homens mais sacanas ou tolos se resignam.
Sim, eu sou feminista, mas não nego a realidade: a carência e a vontade de ser o centro das atenções vêm fazendo belas mulheres agirem de forma ridícula, estupida e tola. Enfim, amor próprio e auto respeito não se veem com muita frequência por aí! Sobram peitões, coxões, bundões, cabelões e roupas curtas, faltam finesse, postura e autovalorização.  
Então, eu estou solteira, porque minha exigência é razoável e a tolice de alguns homens é “excelente”, ou seja, enorme! Não sei se sou tão exigente assim ou se os homens que estão com o talento para conquistar uma mulher mais negativo do que conta corrente de cidadão falido.
Sim, conquistar! Palavra antiquada né?! Pode ser, mas essencial. Vivemos numa era em que homens acham que conquistam mulheres pagando bebida cara e levando dar volta de carro “na calada da noite escura”. E se o carro for chique e caro, então, o sujeito nem se dá ao trabalho de pegar na mão da moça, pega logo nas coxas e, em alguns casos, “conquista” e abala o coração da jovem “donzela” no ato!
Se a mulher resolve transar com o individuo, então ele se esquece da conquista de vez! Pra que mandar mensagens românticas, flores, cartão, pra que convidá-la para um jantar legal se o sexo foi conquistado?
Pois é, se este for o escopo do sujeito ele nunca vai conquistar nenhuma mulher que preste, primeiro porque nem toda mulher que transa com um cara no segundo ou primeiro encontro é desmerecedora de valor, segundo, porque conquistar o tesão da mulher é uma coisa, o prezar e a atenção são outras, muito diferentes! Mais ainda o coração!
Não acho que a criatura do sexo feminino deva “se guardar” por tempos, acho apenas que os homens precisam aprender a distinguir as mulheres, das “moças”. As mocinhas se encantam com grana e sexo razoável, mulher que se preza quer muito, muito mais que isso!
Quer atenção, conversa inteligente, bom humor, afeto, sinceridade, exclusividade, uma dose doce de romantismo, boa pegada e, sobretudo, atitude! Uma mulher madura e que está disponível para relacionamento sério não fica ao lado de homem que não “demarca” território.
Sabe o ditado? Ou “fode ou sai de cima”? Então, em termos menos vulgares é mais ou menos assim: a mulher mostrou interesse em ter algo mais sério do que transas eventuais? Assuma ou ela desiste de você e encontra outro que terá mais “peito” e atitude que você!
Ficar cercando a criatura como um animal selvagem atrás da presa não serve para nada se você não reparar nela e ver que ela quer mais da vida e dos homens do que sexo, uma conversa no fim da noite e uma amizade colorida.
Mulheres que sabem o que querem e que não estão a fim de brincar de “mocinha-lobinha má” deixam o sujeito sem ação de lado. Detalhe, quando falo em ação, não me refiro a trová-la para transar com ela, tal ação qualquer moleque tem, falo em ter algo mais sério do que um romance água com açúcar e sem compromisso.
Então, não estou namorando porque a inabilidade de conquista masculina aliada a algumas exigências que tenho me faz interagir com poucos indivíduos e, menos ainda, gostar dos que restam, porque, em matéria de discernimento e atitude os homens estão deixando muito a desejar. Às vezes me parecem crianças num parque de diversões sem os pais!
Enfim, não se trata como “piriguete” uma mulher madura e ciente do que quer e, caso trate, o resultado nem é tão grave, apenas você ficará na lista dos “amigos bobos”, daqueles que a gente apresenta pra conhecida “novinha” que não quer nada da vida e não espera nada de muito interessante de um homem.

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 11 de junho de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário