Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Das paixões doentias e confusões “de amor”.

Das paixões doentias e confusões “de amor”.

Sobre o amor muito se fala, muito se falha e muito se confunde: tesão com amor, paixão com amor, carência e dependência com amor. Aliás, sobre a dependência: ela é inerente a paixão! Mas não a qualquer paixão, mas a tal da paixão doentia e infame.
Daquelas que faz você esquecer de si mesmo, perder a razão, mandar a racionalidade para o inferno e se jogar de cabeça ao domínio do outro. Paixões doentes cerceiam o livre arbítrio das pessoais.
Elas pensam que se comandam, mas se tornam joguetes do outro. Se a paixão doentia for mútua a situação fica mais complexa: um pertence ao outro e nenhum zela por si. Amar é ser seu e estar no coração do outro, apenas. Sem comando, submissão ou dependência.
Aliás, paixão assim avantajada parece droga! Você vicia no outro, tem abstinência e taquicardia diante da possibilidade de perder a sua presença e o seu afeto. Nem todos precisam viver uma relação apaixonada e perniciosa para amadurecer, existem pessoas com mais sorte.
Eu vivi há anos e digo para o mundo: não queira! Tal qual um drogadito você padece para superar, esquecer. A solução será sempre a distância. A proximidade causa vontade, ansiedade. Você sabe que não deve e você nem quer, racionalmente falando, mas algo de maligno em você lhe conduz na direção de seu objeto dominador.
Hoje em dia, se eu quiser perder o controle com dignidade eu tomo um pileque ouvindo meu amigo Mirosmar ou algo assemelhado e romântico. É mais barato, se perde menos tempo e, caso se perca a racionalidade e a lógica não haverá dor de paixão no coração no outro dia!
Acredite, ressaca é bem melhor. Antes perder-se de si e continuar sendo seu do que perder-se com sobriedade e pertencer ao outro, pois se tem algo difícil de recuperar é nós mesmos quando nos entregamos a alguém.

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 03 de junho de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário