Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Do casamento e filhos e a felicidade “robinhoodiana”.

Do casamento e filhos e a felicidade “robinhoodiana”.

Robin Hood roubava dos ricos para dar aos pobres. O que fazia não deixava de ser crime, todavia, ele direcionava o produto do mesmo para fazer a felicidade de quem necessitava. A nobreza do ato era, digamos, “compensadora”.
Dizem que filhos não seguram casamento. A verdade é que filhos não seguram amor, paixão e felicidade no casamento, mas ele, enquanto instituição, costuma perdurar na existência de crianças. E ao que deriva daí eu dou o nome de “felicidade conjugal Robin Hood”.
Homens, normalmente são os proprietários da mesma. Por quê? O cidadão não é mais feliz ao lado da esposa, a relação se tornou mais uma amizade do que, de fato, um romance, uma união entre duas pessoas do sexo oposto que passa pela necessidade invariável de haver tesão, sexo e paixão entre elas.
Diga-se de passagem, três coisas que sofrem um grande abalo após o nascimento dos rebentos. Mas, enfim, continuo: o sujeito infeliz na relação, para o bem do filho, mantém-se nela, ou seja, abre mão da felicidade afetiva e sexual para fazer a felicidade da criança e acaba, sendo “razoavelmente” contente.
Tira a realização pessoal, intima, sexual e emocional de si em prol da criança. Claro que há algo de altruísta neste ato, até porque o filho só existe porque os pais quiseram ou foram imprudentes, na maior parte dos casos. Agora, a pergunta: isso é valido?
Meus pais se separaram quando eu era uma jovem mulher e a separação me afetou muito. Quando criança a maioria dos meus amiguinhos eram filhos de pais separados, todos, praticamente, com pai e mãe atenciosos que faziam o possível para amenizar tal fato. E eles cresceram, e são felizes e contentes. Não morreram por conta da situação dos pais.
Se uma separação causa estranheza e faz sofrer? Obviamente. Mas, o que será que uma filha menina ou um filho menino acharia mais nobre: ver os pais divorciados e cada um de um lado tocando sua vida e sendo feliz ou um pai ou mãe infiel que transa com outras pessoas por aí?
Talvez a questão seja de opinião pessoal, mas no meu ponto de vista, deslealdade e infidelidade não são exemplos que um filho deva ou mereça ter. O grande problema da “felicidade robinhoodiana” é a hipocrisia tremenda que existe por trás dela, é o tal do contar com o “desconhecimento” do que se faz escondido para que o filho seja feliz. E, sinceramente, não acho nobre, mas acho justificável, porém. Todavia, os atos de tais pessoas continuarão sendo abjetos mesmo que elas insistam em dizer-me que são altruístas.

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 06 de agosto de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário