Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

domingo, 23 de agosto de 2015

Eu escolhi ser feliz!

Eu escolhi ser feliz!

A maturidade trás uma série de vantagens, inúmeras virtudes que a gente adquire. Autoconfiança e autoconhecimento, por exemplo e, com eles, a total falta de vergonha do que se viveu, por mais triste que seja.
Se não fossem nossas lagrimas, nossas experiências frustrantes, nossa loucura, nossas doenças, nosso passado e suas dores, não seriamos quem nos tornamos. E, como é bom amar a pessoa que a vida fez de nós! Ou melhor, a pessoa que fez bom uso do que a vida lhe impôs!
Como é bom ver que, de toda dor, abuso ou tristeza, conseguimos construir uma personalidade digna, humilde e contente. Como é bom renascer em vida, com outras metas, força e forma de pensar! Como é bom olhar para si mesmo com orgulho, se olhar no espelho e gostar da pessoa que vê! Não da aparência, mas da pessoa, da alma por trás da carne.
Trazemos cicatrizes no corpo e a alma, cicatrizes sem as quais não seriamos bons. Nós não somos o resultado, apenas do que vivemos, nós somos aquilo que fizemos com o que vivemos. Eu escolhi ser leve, franca, transparente e simples!
Eu escolhi me rejubilar com pequenas coisas, ser diariamente feliz, viver cada dia com a intensidade que eu viveria se soubesse que minha existência findaria na próxima hora.
Dou-me o direito de sorrir muito, gargalhar demais, amar quem me conquista a admiração, cuidar de mim e de quem eu prezo, dou-me o direito de ser intensa, de me contentar com um bombom e um aperto de mão firme, dou-me o direito de ter fé no ser humano, de confiar mais, de criar poucas expectativas, mas desvelar a alma de quem toca a minha, de quem eu admiro e, por quem, meu coração bate um pouco mais forte.
Dentre todas as minhas características a que mais gosto é a capacidade de não complicar as coisas, os sentimentos, as relações, as amizades! A vida, enfim! Ela é tão perene, pra que complicar? Pra que colocar os limões no lixo se existe açúcar, gelo e vodca? Pra que chorar, lastimar e se queixar se existe vida, força, esperança e amor? Pra que contar com uma felicidade futura e ignorar as pequenas alegrias cotidianas?
Por que não ser leve, tranquilo e contente? Eu escolhi ser assim, portanto, tire seu mau humor do meu caminho, porque eu e o meu sorriso queremos passar. Já chorei o suficiente na minha vida, agora, o futuro pertence a mim e eu escolho ser feliz, desde agora!

Cláudia de Marchi
Sorriso/MT, 23 de agosto de 2015.


Nenhum comentário:

Postar um comentário