Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Eternize-se!

Eternize-se!

Eu gosto de conhecer pessoas. Humildemente reconheço que todas podem nos ensinar algo! Há sempre algo aproveitável na interação com outros indivíduos por mais diferentes que sejam de nós e dos nossos ideais de "excelência" nos quais nem nós mesmos nos adequamos!
Vida é troca: eu me doo, você se doa, eu lhe ensino, você me ensina e, no final, ainda que nossa doação mútua finde mal, eu cresço e você cresce, porque na escola da vida todos somos mestres e aprende mais aquele que goza de parca arrogância, aquela triste e frígida irmã mais velha da ignorância.
Existem pessoas que nos ensinam o que não devemos nos tornar, todavia, ainda que elas nos deixem uma marca negativa, fato é que esta marca nunca será só de dor. Se tivemos intimidade o suficiente com alguém a ponto de entregar-lhe nosso coração e nos magoarmos é porque existiu algo de muito bom por algum tempo. Em algum tempo.
Algumas pessoas alimentam apenas lembranças negativas, não porque elas somam a maioria dos seus momentos vividos, mas porque elas temem as boas recordações e seus “efeitos”, temem a saudade, temem mudarem o seu conceito de que o outro lhes foi totalmente “ruim”. Ninguém é, conosco, totalmente ruim! Não se lhe demos liberdade para entrar em nossa vida e no nosso coração.
Enfim, em todos os aspectos da vida interagir, dialogar, escutar o outro com o coração, colocar-se em seu lugar é o que de mais caridoso, digno e honroso podemos fazer. Infelizmente, existem pessoas que se acham melhores que o mundo. É uma espécie de gente que não gosta de gente, que não gosta nem de si, desconfio!
Quanto mais amor nós damos ao mundo, quanto mais consideração nós damos ao ser humano, mais amor e consideração a vida nos dá. Não adianta ajoelhar e orar, ir à igreja, e não ser capaz de tocar uma alma, de dialogar, de interagir e de respeitar os diferentes com a certeza de que neles também habita algo de especial e de divino.
Termino com a célebre e bela frase de Antoine de Saint-Exupéry: “Aqueles que passam por nós, não vão sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.” Permita-se, portanto, receber um pouco do outro e nele deixar-se, porque quando a sua passagem nesta vida findar você continuará a existir no coração de quem recebeu de você atenção, afeto e amor. Eternize-se!

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 13 de agosto de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário