Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Álcool, gente infantil e a minha crueldade (quase) ridícula.

Álcool, gente infantil e a minha crueldade (quase) ridícula.

Ouvi na semana passada uma pessoa falar e fazer umas asneiras após beber umas cervejas e, após, justificou-se dizendo que isso é "normal" e pode ocorrer quando se bebe, de forma que o "certo" para uma relação funcionar é o intimismo demasiado: não sair, só ficar o casal e fazer programas a dois.
O que eu pensei? Ponto de vista doente, muito doente! Sempre sai com quem namorei e me diverti muito! Aliás, mais do que sozinha, provavelmente porque tais indivíduos ainda que depois de umas cervejas continuassem sendo os mesmos cavalheiros apaixonados que eram ao me buscar em casa.
Ao menos meus ex psiquicamente saudáveis! Bêbados? Faziam altas declarações de amor, excitação, loucuras afetivas e sexuais, entusiasmo, nada de papos mórbidos de passado ou satisfação sobre postagem em facebook para amiguinha de ex namorada desesperada pelo celular no inicio do que poderia ser uma bela noitada!
Homens com “h”, homens com brio, homens com maturidade, homens que sabem o que e quem querem, nesses eu “boto fé” com álcool ou com água!  Bebida e festa não justificam estupidez feita ou falada "sem querer" a menos que a pessoa tenha problemas psíquicos.
Se bem que eu acho que a bebida entra e a verdade sai, logo a merda feita mostra quem é e o que pensa o cidadão que defecou pela boca! Em certa dose o álcool é revelador: a pessoa perde o freio e faz e fala o que pensa. Logo, criatura que bebe e fala asneira é porque pensa asneira! Porque é infantil, tolo, despreparado, enfim.
Em resumo: problemas de ordem interna a serem estudados por um profissional competente da área da psicologia, obviamente. Quando estou com alguém eu sou empática dentro de casa tomando leite ou no happy hour tomando um chopp.
Agora, se ouço o que eu não devo e me ofendo? Se vejo algo frustrante e decepcionante? Se me frustro, enfim? Ah, dai me valho da minha tradicional sinceridade que, aliada a uns goles a mais, me faz cruel. Ridiculamente cruel, não nego. (Álcool e Cláudia irritada não combinam, vira “bomba”!). O meu consolo? Eu só me defendo, a estupidez nunca parte de mim, todavia, se me jogou uma pedrinha, pode esperar uma tijolada. Isso eu não nego!
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 11 de maio de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário