Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Que seja breve!

Que seja breve!

Duas verdades: antes cedo do que tarde e antes tarde do que mais tarde. Seja objetivo, observe, analise! Uma pessoa madura não precisa permanecer com alguém por mais de alguns meses para aferir as diferenças que poderão arruinar a relação e, assim, corajosamente, dela se evadir em respeito a si e ao seu direito de encontrar algo com ela mais afim.  
Uma pessoa segura de si e não carente não precisa insistir por medo da solidão, do que os outros irão pensar ou por alguma hipocrisia assemelhada. Não insista amiguinho, você não é obrigado!
Você tem como obrigação ter paz, dormir em paz, acordar em paz, sorrir, ser feliz, não é obrigado a suportar, a tolerar, a aceitar o que não lhe faz plenamente bem. Se ninguém é perfeito? Não, mas uma coisa eu garanto: existem pessoas do seu número! Existem pessoas que se encaixam em você, que combinam com você, que são afins com você!
Só afinidades justificam a manutenção de um namoro, a evolução para um casamento, porque, não importa o quanto você seja apaixonado ou creia que ame alguém, se não houverem afinidades a relação não será prazerosa, será adoentada, complicada, e ninguém merece isso.
Ah, mas você teve filhos? Arque com tal ônus, quem mandou tê-los? Qualquer término e recomeço é muito mais difícil com crianças. Elas não seguram casamento feliz, por isso as pessoas deveriam pensar bilhares de vezes antes de tê-las, porque é um vinculo vitalício entre duas pessoas que “não deram certo mais” juntas. Se não pensou antes de ter filhos, deverá pensar muito antes de separar-se, porque o seu fardo, meu caro, ninguém é obrigado a carregar.
Enfim, maturidade é saber no que insistir, é saber se vale a pena insistir, é gostar de estar com o outro, gostar de como o outro pensa, vive e age, é ser indulgente, é conseguir compreender o que existe de diferente e ser gamado pelas semelhanças. Selecione suas escolhas e, posteriormente, suas batalhas, porque você não é personagem de Shakespeare para fazer o drama “valer a pena”.

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 15 de maio de 2015.

Um comentário:

  1. Parabéns pelo post Cláudia, reverencio sua inspiração e discernimento. A vida é pra ser vivida e uma relação celebrada.

    ResponderExcluir