Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Meu futuro gatil!

Meu futuro gatil!

Li algo como: “Me ameaçaram dizendo: ‘Você não quer casar nem ter filhos? Que tristeza, um dia você será uma velha cuja única companhia será um bando de gatos!’ Nossa! Seria a realização de um sonho!”. Assino embaixo.
Afinal cada um é feliz como quer! E eu pulo esse lance de casamento, namoro e união estável enquanto não conhecer um homem que não abale a minha paciência e estrutura psíquica, mas que abale a minha mente com sua inteligência e maturidade, autoconfiança e empatia.
Que meu colchão seja abalado, mas o meu equilíbrio jamais! Não quero que qualquer criança com faixa etária elevada avilte o que demorei anos para conquistar: meu equilíbrio, minha alma, minhas vontades, enfim, meu âmago bem estruturado e amadurecido, menos passional, mais racional, mas não menos intuitivo!
Logo, se for para obter surpresas negativas eu fico com os gatos. Ah, e filhos? Os gatos! Sim, sempre os gatos! Desde quando ter um filho é certeza de companhia na velhice e, mais, desde quando eles são a certeza de uma boa companhia? Podem se tornar adultos chatos, vivendo uma vida que jamais sonhamos para eles, sendo criaturas ruins, ignorantes e grosseiras.  
Aliás, no que tange a esse “lance” de ter companhia de alguém, fico estarrecida com a ignorância alheia quando ouço um "você está sem sorte", porque dispensei um dos inúmeros pretendentes que tenho, após um jantar ou algo assemelhado!
Ausência de sorte é não ter ninguém a fim de você e ser obrigada a ficar com o "menos pior" já que a imensa maioria se recusa a sair em público com você. Sorte eu tenho, queridinha, o que me falta é paciência com macho imaturo! Junto com excessiva sorte eu também tenho excessivas exigências! E sempre terei, porque a melhor companhia que tenho é a minha liberdade e paz de espírito! Ah e, também, meus gatos!
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 11 de maio de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário