Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Fakes infelizes!

Fakes infelizes!

Fez perfil “fake” para enxovalhar quem não conhece e menosprezar a existência alheia? Já sei que está vivenciando o desespero, o recalque e aquela infame e, (por mim, desconhecida) sensação de ser um ser humano baixo, desclassificado e, sobretudo, sem amor próprio!
Filha vai ler um livro (será que compreende algo que não seja do Augusto Cury ou Nicholas Sparks?), procurar um analista, trabalhar, achar um macho que lhe queira, que atenda suas súplicas e aceite ser alvo de mulher problemática e doente mental.
Desnecessário baixar a um nível rastejante de dignidade. Vai ler a Caras se nada mais é suficiente para o seu entendimento “analfabético” de cultura. Olha, tem gente que me dá tanta pena que faz rir!
É muita mulher despreparada para a vida, desesperada, carente e insana nesse mundo! A caça de presas que desistiram de contentar-se com suas respectivas carniças, afinal, pelo visto a “fome” passa, mas a carência, insanidade e demência não. Lamentável!
Filha, desencana da vida de ex, deixa a atual em paz, deixa a criatura que desistiu de você ou não lhe quer mais em paz! Vai cuidar da sua vida, seguir seus planos (se é que os tem!), deixe em paz quem em paz quer ser deixado.
Esse lance de escrever pra ex para falar mal da atual é patético! Não representa nada mais do que dor de cotovelo, inveja, sensação de impotência, de perda e de raiva, sobretudo por ver aquele que você quer infeliz e “lamuriante” com uma pessoa mais bela, mais inteligente, mais interessante e mais segura de si do que você que fica aí, tentando roer um osso que criou asas e voou para longe de sua presença infame, tola e insossa.
Caia na real, procure um médico, vá criar seus filhos, corte os pulsos, mas pare de ser otária, medíocre e infantil. Seus argumentos raivosos e denotadores de carência e falta de estima por si mesma não são suficientes para fazer ninguém querer a sua carne flácida e sem graça novamente.
Se manca, vá se tratar e recolha o seu veneno, pois, acredite, quem morre engasgada com ele é você, afinal, do subsolo onde você se encontra não consegue subir até o solo para “picar” e destilar o seu veneno sobre pessoa alguma. Ele fica ao seu redor, pautando sua infelicidade e “ridicularidade” em alto grau.
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 07 de maio de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário