Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

terça-feira, 5 de maio de 2015

Hedonismo sim, hipocrisia não.

Hedonismo sim, hipocrisia não.

Aprenda que a única coisa que deve ser eterna nesta vida é a sua felicidade, o seu bem estar, a sua paz de espirito. Não existe vinculo que lhe segure para sempre quando você não quer ser segurado.
Nem a maternidade para quem não é vocacionada a ser mãe prende para sempre, não à toa mulheres colocam seus filhos para a adoção por exemplo. Não venho dizer que isso é correto ou julgá-las, venho dizer que ninguém é obrigado a se obrigar ao que não quer, que sempre existe um caminho, uma opção, que não existem deveres impostos pelo moralismo e pela hipocrisia social que não possam ser relativizados em prol do seu bem estar.
Digo, enfim que não existe altruísmo verdadeiro que passe pela infelicidade. Sacrificar-se em prol de algo? Sim, é possível, desde que este algo lhe faça bem, lhe faça feliz e lhe dê paz, do contrário você será um masoquista.
Ah, e hipócrita, afinal se não lhe faz bem, se você vivencia por quê? Para os outros lhe acharem “bonzinho”, não é? Para seus pais não se rebelarem? Por que a sociedade “cobra”? Enfim, hipocrisia no modo hard, só isso. E só lamento, inclusive.
É preciso ter culhões e ser muito corajoso para ser feliz num mundo em que as pessoas conseguem dizer o que é certo para os outros sendo que nem sabem o que é certo para elas mesmas. Se soubessem não cuidariam da vida alheia.
É preciso ter coragem para mudar de caminho, de atitude e de rumo quando não se há mais bem estar onde deveria haver. A religião sabota a felicidade das pessoas. Essas questões de que deve se fazer isso, deve se fazer aquilo, porque se não você não é bom e “Deus castiga”.
Sei lá, eu sou hedonista sim. Sou contra sacrifícios por outros. “Ah, Cláudia, você não sabe amar!”. Não, eu sei, principalmente a mim mesma. Não me sacrifico por pessoa alguma nesse mundo, porque ninguém vale a minha infelicidade. E é por isso que a maternidade não é um sonho que me pertença. Eu quero ter a liberdade de ser sempre minha, inclusive de ser egoísta quando eu quiser.

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 06 de maio de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário