Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

sábado, 2 de maio de 2015

E você, é feliz como?

E você, é feliz como?

Acho que você precisa de alguns pilares básicos para ser feliz. Para sair daquela meta hipócrita de felicidade que não sabe direito o que deseja e, portanto, crê que ela está no que a mídia divulga, na fama, no dinheiro, no corpo modelado pela própria grana, na família de comercial de margarina (ai que chato!).
Enfim, se você quer ser feliz você precisa de autoconhecimento e independência. Ambos lhe tornarão livres e, então, você sentirá a genuína felicidade: o contentamento consigo mesmo, com suas opções, opiniões, sonhos e metas.
Conheça-se! Saiba o que lhe faz bem, o que lhe faz feliz. Acredite, nem tudo que faz seu amigo feliz, faz bem pra você! Você não é obrigado a seguir as cartilhas preenchidas por uma sociedade formada por pessoas, em sua maioria, frustradas. Por casais que vão ao mercado sábado à tarde e enquanto a mulher compra o pão e o leite para a filha pequena o homem paquera a desconhecida que passa.
Se formar, casar, ter filhos, se aposentar e esperar os netos no domingo com a mesa farta. Nem todo mundo gosta ou sente necessidade disso! Quer fazer faculdade, estudar? Faça. Quer administrar a empresa da família ou vender sanduíche na praia? Faça. Quer namorar a vida inteira e não casar? Quer aproveitar só o lado bom dos relacionamentos? Aproveite.
Você não precisa de ninguém para ser feliz, só de você mesmo. Precisa saber o que lhe faz bem e focar nisso. Pequenos prazeres, grandes momentos! Um jantar, uma pizza em cima da cama, um filme, uma maratona de seriados, a noite em claro lendo “o livro”, viagem de férias.
Se você conhecer a si mesmo não vai se contentar com nada menos que o excelente. O que é bom para uns, pode ser ruim para você. Você não precisa ser igual a todos, não precisa ser “estatística” de maioria. Você só precisa ser você e ser feliz como bem entender, sem precisar andar na linha que a sociedade torta e hipócrita diz que é reta!
E outra, quem diz que andar em linha reta é divertido? Eu gosto é de curvas, de subidas e de descidas, tenho pavor ao morno, ao previsível e ao tédio. Você não precisa pensar como eu para ser feliz. Eu sou feliz assim, mas e você é feliz como?
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 02 de maio de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário