Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Bebezões!

Bebezões!

“Para homem infantil dá Mucilon e não moral”. Convenhamos que homem precisando de cereal do tipo existe aos montes! O sujeito fica com uma, galanteia outra, namora ou mora com uma flerta com qualquer ser que use saias, mal termina uma relação e sai a caça de uma mulher para exibir para a ex, não larga o "osso", diz que ama em menos de 15 dias (acha que engana quem baby!).
Enfim, o bebezão confunde tesão com paixão, paixão com amor, desejo com admiração, bunda grande com ideias curtas, beleza com vulgaridade, educação e simpatia com flerte, etc.. Acha que todas as mulheres são iguais a subespécie do gênero feminino que ele diz que “pega”!
Ou seja, crê que todas as mulheres são imaturas, carentes, desesperadas, fáceis de serem conquistadas, fáceis de serem levadas para a cama e enroláveis. Jovem, com mulher de verdade não se fala em rolo! A gente não é papel higiênico para ser enrolada, para sair meses com você sem um feedback que preste. Mulher é mulher, menina é menina e quiçá essas tomem Mucilon com você! Simples!
Enfim, ainda tem quem diga que eu preciso "ter paciência com homem" para não morrer sozinha. Grande coisa, antes morrer sozinha e com a tez radiante, independente e alegre do que casada, gorda e enrugada de tanto estresse com marmanjo bobo, egoísta e inconveniente! Eu não me contento com pouco e se eu quisesse criança eu adotaria uma! Está para nascer um homem por cuja presença eu rogue ou cuja ausência me faça chorar. Espero, no entanto que os infantis se afastem e que os maduros tomem o seu lugar, porque enquanto isso eu vou continuar conhecendo mais profundamente e, posteriormente, fugindo de bebês gigantes. Sem dó, afinal ninguém paga as minhas contas ou vale o meu estresse! Se eu tenho preguiça até de ir à geladeira, mais ainda de sofrer ou de me estressar por alguém.
Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 14 de maio de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário