Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Pequena crônica sobre amizade.

Pequena crônica sobre amizade.

Ah, a amizade! Ah, a tal da “parceria”! Ah, a hipocrisia! Ah, o machismo lascando os conceitos de amizade no mundo! Eu gosto de gente, de conviver com pessoas, mas, quanto mais convivo e quanto mais considero algumas pessoas como amigas e me desaponto, mais realista eu me torno. E mais fã eu fico da minha mãe e dos meus gatos.
Pessoas gostam de sentir prazer, de sentirem-se bem, pessoas querem o que é bom, bonito e grandioso. Eis que eu sempre desconfio quando ouço alguns indivíduos dizerem que é nos momentos de crise que se reconhece os amigos.
Eu acho que a gente reconhece a verdadeira amizade quando o amigo está na fossa, sozinho, quebrado que nem arroz de quinta, vivendo uma fase ruim e a gente está bonito, bem acompanhado, bem vestido, cheiroso e realizado e ele não muda conosco, ele nos anima, nos elogia, nos instiga a melhorar, assim como deseja melhorar também.
Enfim meu caro, a inveja é a pior inimiga das amizades. Não pense que tudo é parceria, afeto, “irmandade”, às vezes o seu amiguinho quer trazer você, ou melhor, derrubar você ao nível dele, pois se sente incapaz de elevar-se ao seu. Enfim, nem tudo é parceria, nem tudo é querer levar o “parceiro” pra diversão, às vezes é o tal do “já que eu estou fodido, foda-se você também.”
Ah, e quando você está numa “bad” e apenas alguns poucos lhe ajudam? Bem, pode ser por bondade e lealdade genuínas ou, porque, simplesmente, o sujeito se sente enaltecido por lhe estender a mão, sente o ego massageado por ver você mal e lhe ajuda para “pagar” de bom. Acredite, existe isso no mundo meu amigo e você só aprende isso com maturidade e, quem sabe, com um pouco de conhecimento acerca de psicologia humana. E da crueldade humana também.
Aliás, sobre amizade circula uma ideia machista de que mulheres são desleais com as amigas, que uma critica a outra pelas costas e por aí adiante. Besteira, asneira, tolice! Homens são, isto sim, mais discretos na forma de sacanear o amigo, mas não são mais leais que as mulheres não.
Conheço inúmeros homens que discretamente prejudicam até o relacionamento do “parceiro”, do “amigão”, afinal, se ele está na “pista”, como que o amiguinho vai achar uma namorada bonita, inteligente, independente e legal né?! Daí começa o tal do “puxar” o sujeito para todo tipo de ocupação para que a mulher se irrite de alguma forma.
E aqueles “amigos” que começam a desafiar o intelecto da pretendente do amiguinho mais bem “dotado” de sorte? Tipo, pra irritar, pra provocar, pra querer se aparecer para a mulher ou para abalar o amigo a respeito do seu bom conceito acerca da mesma? Claro que tudo isso vai funcionar se o sujeito a ser prejudicado for inocente, imaturo ou, simplesmente, idiota.
Daí começa a briga “ah, mas ele é meu amigo de fé, meu parceiro”. Aham, afinal amizade falsa só circunda o mundo feminino né!? Homens são todos perfeitos, nasceram com tendência a ser mais leal entre si. Olha, não nego que exista maior implicância de mulheres para com mulheres, mas sabe por que? Por conta do machismo latente na sociedade que faz com que, desde pequenas, uma veja a outra como concorrente.
Aliás, tem umas tão toscas que levam isso tão a sério que se a amiga falar “fulano é interessante” a outra vai lá dar em cima, se insinuar ou aceitar cantada do cidadão. Afinal, ela tem que “superar” a “amiguinha”, tem que ser melhor, porque mulher é “bicho falso e traiçoeiro”. Ideia maligna fruto da nossa sociedade machista, meu bem!
Porque deslealdade existe no universo, independente de ser feminino e masculino, deslealdade depende do caráter e não do sexo, então não me venha com estigmatização sexista, porque não cola. E, macharedo de plantão, abra o olho, seu amigo pode ser bem sacana com você quando você está numa posição melhor do que ele. Amigo filho da puta não é demérito só do sexo feminino, ok?!  

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 29 de julho de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário