Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

domingo, 19 de abril de 2015

Dia de missa.

Dia de missa.

Dai a pessoa acorda cedo para ir a missa. Chegando lá repara nos trajes de todo mundo, na deselegância ou elegância dos corpos e condutas. Dai ouve o padre, reza um tanto fazendo mais pedidos do que agradecimentos.
A amante pede para o sujeito deixar a família, a esposa que anda igual mendiga dentro de casa pede para o marido voltar a ter tesão nela, o marido que não elogia, não presenteia e nem agrada a esposa reza para que ela tenha mais "atitude" na cama, e que ela nunca descubra seus casos e queira metade do patrimônio adquirido após a união.
A criatura que não estuda pede para ir bem nas provas, a outra que não se concentra em nada pede para compreender tudo, a jovem pede para a dieta funcionar, a magricela para a bunda crescer, a recém siliconada para a cicatriz não ficar feia, o bebum para a ressaca passar.
A criatura chata e arrogante pede para alguém se apaixonar por ela, a mulher cujo casamento vai de mal a pior para engravidar, a criatura que faz faculdade para dizer que “estuda” para encontrar um filho de produtor rural rico, a mais "topa tudo" pede para encontrar o próprio produtor e ganhar um "kit" amante (carro, apartamento, cirurgia plástica e mesada).
O agricultor pede para colher mais que o outro, alguns querem chuva nas suas terras e seca nas alheias, etc.. Saindo da missa a pessoa sente que recebeu "salvo conduto" para fazer o que sempre fez e recomeça falando mal de quem pouco conhece, sendo grosseira com as pessoas, se achando superior ao mais simples, sorrindo pouco, reclamando muito.
Recomeça se sentindo vítima de tudo e todos, menosprezando ao outro, sendo mal educada e grossa e jurando que é sincera e que sinceridade é "divina" mesmo que ofenda ao outro, tentando lucrar em detrimento do outro, mentindo para cliente, engambelando gente de alma pura e vendo nos outros a malícia e a maldade que tem em si. Sinistro! O que dizer? Vou "orar" por um mundo com mais moral e empatia e menos "senhor, perdoa-me".

Cláudia de Marchi
Sorriso/MT, 19 de abril de 2015.


Nenhum comentário:

Postar um comentário