Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

sábado, 18 de abril de 2015

Pequena crônica fútil contra a futilidade “fora dos padrões”.

Pequena crônica fútil contra a futilidade “fora dos padrões”.

O errado vai ser sempre errado mesmo que todos digam que é certo. Não, para! O objetivo deste texto não é tão profundo, então, digamos que o feio e o deselegante sempre será feio e deselegante mesmo que digam que é bonito. Mesmo que a pessoa diga que ela é bonita, inclusive!
Não estou pugnando preconceito contra biótipos, longe de mim, mas, convenhamos que uma pessoa que não é tão bonita e se autoelogia é chata, desagradável e estupida pra caramba! Não tenho saco!
“Ah, mas nem todo mundo é obrigado a acompanhar os padrões de beleza impostos pela mídia”. Sim, isso é verdade, mas não custa nada conhecê-los e saber que eles existem, porque a maioria, hoje em dia, os aceita como “belos”, certo? Do contrário não existiriam inúmeras dietas, tratamentos estéticos e cirúrgicos para manter a silhueta em dia.
Aliás, diga-se de passagem, que a maioria do povo gordinho que fala tal frase já tentou inúmeras dietas e não funcionou, então, seria uma frase de “consolo”? Enfim, não sei, mas acho estranho esse povo que se “acha” sem ter razão! Caramba, isso é feio por demais!
Filha, o que custa puxar um espelhinho ou um espelhão e se enxergar? Do rosto ao corpo? E, mais, fazer análise para deixar de ser sardinha em lata que jura que é salmão. Conheço mulheres lindas que não foram infectadas pela futilidade e convencimento que algumas sem graça possuem.
Conheço, também, (benzadeus!) mulheres lindas que sabem que são lindas, mas não espalham isso em mesa de bar, porque elas não precisam, elas são! E todos veem! Não precisam espalhar um “eu me amo, eu sou gata, eu sou gostosa”, porque elas se amam e sabem o que são!
Sinceramente, nada pode ser mais feio do que uma pessoa que não é “tudo” que diz ser pagando verbalmente de bem resolvida, de “gatona”, quando nem seu corpo condiz com isso. Ah, o que corpo tem a ver? Questão de equilíbrio amiguinha, pessoas nervosas demais, normalmente não conseguem manter o corpo em dia.
Acho de ultima categoria homem barrigudo querer mulher gostosona ou mulher gordinha exigir homem sarado! Caramba, será que custa muito a pessoa reconhecer o tal do “a beleza está na alma”? Sim, porque é nela que a beleza reside e quem não tem “o corpo” deveria saber disso mais do que ninguém!
Mas daí a pessoa que vive apregoando o afastamento dos “padrões” de seu corpo, quer o padrão no corpo do outro. Isso seria futilidade, não seria? Além de ausência total de lógica e bom senso! Então, o que custa gente, ter um espelho, ter senso do ridículo e da própria aparência antes de exigir dos outros o que não lhes oferece esteticamente? Sei lá, eu ainda acho que não custa nada!
E mais, uma dica: se você é fora dos padrões estéticos não é obrigado a segui-los, mas uma obrigação a vida impõe para os magros, sarados e gordos: ser agradável, ser legal, ser equilibrado e ser humilde. Se uma pessoa linda e convencida é chata, imagina uma que de linda só tem o empenho de se arrumar e maquiar? Arre, haja paciência!
Sabe por que as pessoas acham raro uma pessoa ser bonita e inteligente? Porque normalmente a beleza abre portas e presume-se que a inteligência fique em segundo plano. Sim, é uma idiotice descomunal, mas uma coisa eu tenho para dizer: se você não é bonito, não custa nada ser culto e inteligente né?!
Da mesma forma que, se você é gordinho, fora dos padrões, é recomendável que seja alegre, humorado, humilde e legal né?! Agora, macharedo e mulherada fora de forma que se acha o gás da Coca-Cola é muito insuportável!
Peloamor, se você não tem um corpo magro, uma bunda dura e uma cintura fina para mostrar, tenha educação, cultura, bom-humor, alegria e, sobretudo, humildade, porque ser pão velho e se achar o pão de queijo recém saído do forno é de ultima categoria!


Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 18 de abril de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário