Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

quarta-feira, 18 de março de 2015

Dialogo sim, ditadura não.


Dialogo sim, ditadura não.

Eu sou a pessoa mais a favor de dialogo do mundo! Adoro! Está descontente com alguma atitude do namorado, comenta, fala pra ele! Falar não é impor, ofender, ser desagradável ou grosso. Falar é tentar, em conjunto, compreender e ser compreendido.
Está descontente com a atitude do colega, conversa com ele! Com a atitude do aluno, do professor, do chefe? Dialogue! Dialogo não significa reclamação! Dialogo não é discussão, dialogo é a busca racional pela adequação. É isso que falta no mundo!
Pessoas são naturalmente diferentes, sem dialogo, inexiste harmonia, entendimento, crescimento. Sou super a favor de diálogos respeitosos, inclusive, deixo isso aberto a meus alunos e a todos que convivem comigo, independente de me amarem e serem por mim amados ou não.
Não sou o tipo de pessoa que precise colocar medo para se autoafirmar, respeito e consideração me contentam, o resto minha estima própria supre. Temor não é respeito, receio não é consideração. Ponto.
Enfim, meu forte é o dialogo, não a discussão. Ao menos, não na minha doce e linda idade. Passei da fase de “bater boca”, de rebaixar alguém, de tentar impor o meu pensamento, de forçar a compreensão de alguém de agir como “ditadora” de pensamentos.
Passei da fase de alterar o tom de voz em discussão, de tentar mudar a ideia do outro. Na real, superei a fase imatura de crer que a razão me acompanhava e deixava os outros a Deus dará. Eu não discuto, eu converso. E sei que discutir não ajuda.
Chamar o cidadão fanático por uma religião ou partido politico de idiota e tolo, gritar ou coisas afins, não vai servir para nada! Ou melhor, vai, para criar um clima ruim, uma inimizade quiçá. Ninguém muda por ninguém, menos ainda por conta dos argumentos ou gritos de alguém.
As pessoas só mudam ideias se forem racionais e se, por experiências tiverem vontade de mudar. Veja bem, um requisito precede ao outro: seres que não pensam, ou melhor, que se recusam a pensar, não mudam nunca. É preciso ser racional, ou seja, usar a razão para mudar de paradigmas. Quem é incapaz disso é incapaz de reconhecer seu equivoco. Sua crença vã e, enfim, de mudar de ideias.

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 19 de março de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário