Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

sexta-feira, 13 de março de 2015

Você é?

Você é?

Existe muita diferença entre ter “postura de” e “ser”. Tem gente que direciona seu autoconceito a rótulos, gente que depende da cara sisuda para ver em si seriedade e fazer os outros acreditar nela. Gente que mais se preocupa com a aparência de ser do que com o, efetivamente, ser.
Tem gente que precisa amarrar a cara, fechar-se completamente para se sentir forte, para se sentir altivo, para se sentir respeitável. Eu não gosto de gente assim, porque, para começar, eu não sou assim! E eu gosto de gente como eu: espontânea, porém responsável, transparente, porém seria.
Todo ser humano tem em si vários aspectos. Se você tiver a postura que tem entre quatro paredes no local de trabalho, será demitido, se você tiver a postura que tem no trabalho entre quatro paredes terminará com um belo e reluzente par de guampas (merecido) na cabeça.
O teor da sua inteligência, o teor da sua intelectualidade, da sua perspicácia, da sua sagacidade e da sua competência não é medido pelos risos contidos, pelas amarrações de cara que você se impõe para aparentar ser de “outro nível”.
Inteligência tem a ver com a forma com que você pensa, com a forma com que age, com que vive, com que compreende o mundo e como sabe viver. Tem a ver com a leveza da sua alma, com a facilidade com que você se desapega do que não agrega e segue seu rumo com alegria e contentamento.
Intelectualidade se liga aos livros lidos, aos filmes assistidos, as musicas ouvidas, as obras apreciadas, as viagens feitas, aos artigos escritos, aos êxitos profissionais e a cultura adquirida das mais diversas formas.
Competência se liga a responsabilidade, ao cumprimento de compromissos ao quanto você leva a sério a sua fonte de renda e, porque não, de alegria? Quem disse que relacionamento afetivo não dá trabalho e que trabalho não dá prazer?
Não é preciso colocar uma cara de bunda na face para se sentir “fodástico”. Não é preciso ser ríspido, amargo e grosseiro para mostrar-se competente. Você pode ser alegre, você pode ser feliz, você pode ser sorridente, competente e bem conceituado mesmo sem ser um ser humano antipático, sem graça e sem sal. Acredite, é possível! Desde que você seja, realmente, feliz consigo mesmo. E, aí, você é?

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 13 de março de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário