Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

domingo, 22 de março de 2015

Insistência boba.

Insistência boba.

Hoje (ontem, na real) ouvi da minha tia que foi petista desde que me conheço por gente, mas que agora, “caiu na real” uma exclamação a respeito de tal “desilusão”, posto que, insistente, votou na Dilma em outubro (“Senhor, perdoar-lhes, eles não sabem o que fazem!”): “Como a gente se ilude né?! Dizem o que a gente quer ouvir.”
Pois é, quanto a isso, não duvido. Politico que chega ao topo é como homem cafajeste sobra “eu te amo”, sobram presentes caros, sobram declarações e rosas e falta o básico, respeito, consideração e sinceridade em todas as palavras melosas distribuídas (sim, porque não é só você quem as ouve).
Na real, o problema das mulheres que se envolvem com homem besta, assim como o dos homens que se envolvem com mulheres manipuladoras (essas que aprontam, traem, esnobam e depois se fazem de vitimas) é a insistência.
Ah, mas a esperança é a ultima que morre? Olha, meu irmão, eu acho que uma eutanásia pra “danada”, não custa nada né?! Sei lá, insistir demais arrasa a dignidade. Seja ela da espécie que for.
Amor eterno? Só de mãe e de time. Mentiu, aprontou, traiu, desrespeitou, encheu o saco? Manda se catar e segue o baile. Agora, depois de mensalão e inúmeros outros escândalos, depois do PT não fazer nada pela reforma agraria, (aquela pela qual tanto pugnava nos anos 90), ainda acreditar nele?
Então, assim como minha querida e amada tia, segunda mãe, você não é mais vitima da “traição” da governança, você é cúmplice. Ser enganado uma vez é perdoável: um par de chifres, uma mentira, um voto “mal votado”, mas perdoar e aceitar, daí já é masoquismo de nível baixo, muito baixo. Masoquismo de várzea. Mas, deixe quieto, quem vota em ladrão tem mil anos de perdão! Opa... Acho que não é bem assim o ditado, mas, fica assim, tá mais do que na hora de dormir.

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 23 de março de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário