Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

segunda-feira, 23 de março de 2015

Fingir orgasmo? Nunca!

Fingir orgasmo? Nunca!

Acho triste mulheres sofrerem clitorectomia no outro lado do mundo e ainda existirem aquelas “umas” que fingem orgasmo para contentar o macho. Que se fosse bom saberia que não agradou. Que se fosse bom teria agradado. Que se valesse a pena não deixaria você fingir.
Não duvido que tenham mulheres com dificuldade para gozar, é bem possível, pelo que já ouvi de amigas, é extremamente comum, todavia, daí a fingir, então o problema deixa de ser só físico e psíquico e se torna moral. Acho desrespeitoso fingir algo natural. Sei lá, acho coisa de prostituta que, porém não recebe nada.
Quer saber? Acho mais indigno do que transar por dinheiro. Acho barato, feio. Pisoteia em tudo pelo qual as mulheres lutaram: liberdade sexual, anticoncepcional, independência, segurança. Gostou, gozou, não gozou, não gozou, simples! Largue um consolador: “Ah, deixa, fica pra próxima.” Como que o sujeito vai “investir” em você se você finge pra ele?
Tipo, se você ama o cara, deixe claro, porque amor implica em respeito e transparência. Ele lhe conhece, lhe estima e tem o direito de saber que, naquele dia, você não estava na "boa" ou ele foi disperso. Acontece, assim como o brochar masculino: o mundo não termina é só dar um tempinho e continuar. (Ou trocar de marido se isso for constante).
E, se você não ama? Vai mentir por que criatura? Deixe claro que ele pode e deve melhorar. E muito, talvez! Agora, se você passou pela metade da torcida do flamengo e não sente nada? Nem faça sexo antes de iniciar uma terapia! Dai, sinto informar, mas é provável que o problema seja com você. Não passe a “responsa” para um ilustre quase ou super desconhecido.
Se, no entanto, você é normal, não se desrespeite a tal ponto. Faça valer a o direito que temos de ter orgasmos múltiplos: deixe claro quando não teve um. Simples. Ninguém morre por isso e, quer saber? Isso alimenta o machismo.
Faz sujeito ruim de cama se sentir o “gostoso” e ainda, com a autoestima turbinada, ir dar em cima de mulher que vale a pena, de mulher que se preza, que se coloca acima de qualquer babaca e não precisa "fazer de conta" pra agradar se, obviamente, não foi a tal ponto "agradada". Esses sujeitos sem talento que justificam o homossexualismo feminino com cátedra.
Enfim, das seguras de si que não precisam fingir que mané tosco agradou, quando só fez cocegas. Porque, quer saber? Essa coisa de “faz de conta” só demonstra que você é muito, muito insegura. Ai que dó!

Cláudia de Marchi

Sorriso/MT, 23 de março de 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário