Sobre o verdadeiro pecado!

Sobre o verdadeiro pecado!
"O primeiro pecado da humanidade foi a fé; a primeira virtude foi a dúvida." Carl Sagan

segunda-feira, 16 de março de 2015

Sobre o dia 15/03, sobre a classe que trabalha e pensa e algumas manifestações estupidas.


Sobre o dia 15/03, sobre a classe que trabalha e pensa e algumas manifestações estupidas.

Eita que a ignorância humana é algo inominável. E abominável! Nessas manifestações tem muita gente perdendo a razão. É petista fanático (aliás, a cabeça desse povo deveria ser estudada pena ciência, porque, sinceramente, nem religião torna as pessoas tão irracionais quanto o partidarismo desenfreado!) falando que a opinião dos manifestantes diz respeito a uma “elite branca”, dizem que os manifestantes são os abastados, os que estão descontentes porque “pobre agora tem vez” (como se todos os petistas fossem pobrezinhos né?! Ai que dó! E os funcionários públicos que defendem o partido enquanto só fazem “ficar atrás da mesa com o cú na mão”, agora são “proletários”? Haja paciência!).
E os “revolucionários” que criticam o bolsa família sem saber o quanto ele representa para a economia, sem conhecer preceitos constitucionais que o embasam e, sobretudo, sem ver que o problema não é “ele”.
E os idiotas que usam armas e enforcam bonecos representando a Dilma e o seu “guru” (Lula)? Pra que isso povo!? O que precisamos não é só da cassação do mandato da presidente, precisamos de reforma politica e tributaria, precisamos de um novo senado, um novo congresso, precisamos de “caras novas” nessa politica antiga, coronelista e corrupta.
Mas sim, as intenções dos manifestantes são idôneas! Sim, estamos fartos de corrupção e, o que é pior, desse “lema” dos nossos governantes nos últimos 15 anos: “Não falo, não vejo e não ouço”. Foi assim com o mensalão, lembram!? Tudo acontecia ao redor do Lula e ele não enxergava nada. Agora a Petrobras!
Será que custa esse povo ser racional e ver que, ou esses “governantes desgovernados” não tem capacidade para gerir o País porque são desonestos, ou não tem tal capacidade, porque são cegos e otários?! Enfim, a moral racional só pode ser a de que, saindo esta escória do poder, ficará a frase: “Já vão tarde!”.
Agora, meus caros, companheiros coxinhas, parem de dizer que vocês não precisam de esmola do governo, que vocês se manifestam em dia de folga e não mediante trocados na sexta-feira à tarde, dia útil.
Parem com esse "ódio de classe", mas por favor, não se calem frente a quem lhes chama de riquinhos, frente a quem debocha da sua indignação afirmando que você não gosta da “classe trabalhadora” e que você come caviar.
Não se resigne, porque quem acorda cedo para trabalhar, paga altos impostos, estuda a vida toda, dorme tarde e acorda cedo, não é obrigado a calar-se diante da corrupção e do aumento desenfreado do preço de produtos básicos, apenas por conta da mania de perseguição esquizofrênica daqueles que tem ódio da classe a qual promoveu você.
Ou agora é legal dizer que os manifestantes antiPT sentem ódio dos desabastados, mas é bonito os partidários desmerecerem todo manifestante? Nunca fui rica. Meu pai é caminhoneiro e ele, ao contrário de mim, nunca votou no PT. Conheço domésticas, conheço trabalhadores braçais que são contra esse governo!
Chega de chamar os manifestantes de "teleguiados" pela mídia! Esse povo obtém informação das mais variadas fontes, assim como você, cidadão que tem ódio da classe manifestante, desrespeita e faz pouco caso. Respeito é algo que se deve ter para receber.
Ódio de classe não se direciona só em face dos recebedores do bolsa família. O ódio tem dois lados e você que chama os coxinhas (como se essa palavra em si não fosse sarcástica!) de mal informados, está obtendo informações em fontes parciais e duvidosas.
Você que cantou "Lula lá", aceite que os descontentes se manifestem e exerçam seu direito democrático de arrependimento por ter elegido o tio dos 9 dedos e seus pares, ou, simplesmente, se manifestem em face do que lhes causa irresignação. Chega de trocar balas, a menos que você queira ser, igualmente, vítima da fúria de classe.
No caso, da classe pensante, da classe critica, da classe que arca com alta carga tributária e não se resigna frente a roubalheira só porque ela vem da "divindade". Divindade petista, afinal só uma obsessão religiosa justifica tanta incoerência, obsessão e fé numa perfeição e idoneidade invisíveis deste governo. E neste partido.

Cláudia de Marchi
Sorriso/MT, 16 de março de 2015.


Nenhum comentário:

Postar um comentário